Por que usar um blog?

Por que?

Para que todos do Brasil e do mundo conheçam um pouco mais sobre os projetos que serão realizados no curso Big Data no Agronegócio, resolvemos criar um blog, um ambiente de compartilhamento, onde serão postadas imagens, artigos, links, tudo sobre o que está sendo desenvolvido.

Qual a importância do blog?

Um blog combina textoimagens e links para outras páginas da Web e mídias relacionadas a seu tema. É um espaço democrático para troca de saberes.  A capacidade de leitores deixarem comentários de forma a interagir com o autor e outros leitores é uma parte importante dessa ferramenta. E esse é o tipo de ambiente ideal para quem quer expor seus projetos de forma a integrar o leitor a esse tipo de conhecimento. Assim todo aquele que lê, e conhece um pouco mais sobre o tema, pode deixar seu comentário, de forma a agregar ao conteúdo outros tipos de conhecimento.

Por que usar o WordPress?

Para a criação do blog, usamos uma ferramenta chamada WordPress, um aplicativo de sistema de gerenciamento de conteúdo para web, escrito em PHP com banco de dados MySQL, voltado principalmente para a criação de sites e blogs via web. Possui um sistema de modelos, através de um processador de modelos. O usuário pode reorganizar o layout através de widgets sem precisar editar códigos PHP ou HTML; eles também podem instalar e alternar entre temas WordPress. Os códigos PHP e HTML dos temas também podem ser editados para adicionar funcionalidades personalizadas.

 Referências:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Blog

https://pt.wikipedia.org/wiki/WordPress

http://resultadosdigitais.com.br/blog/a-importancia-do-blog-em-instituicoes-de-ensino/

Por que usar o Git?

Por que?

1-) Compartilhar projetos: Com certeza esse é um dos principais motivos do Git.

2-) Utilize-o como portfólio: Hoje ter uma conta e projetos no Git se tornou um diferencial, pois o mesmo está se tornando ferramenta extracurricular pelo qual facilita clientes e empresas conhecerem melhor os seus trabalhos na web.

3-) Aprenda e colabore: Na minha opinião é uma das melhores características do Git, pois com ele você terá acesso completo sobre um projeto open-source permitindo entender e compreender seu funcionamento, reportar bugs e realizar um fork desse projeto que seria baixá-lo para o seu perfil permitindo que você envie uma nova versão modificada e contribuída por você, seja enviando uma nova funcionalidade ou corrigindo alguns bugs, colaborando para o autor do projeto aprovar e publicar, dando os créditos a você que colaborou.

Importância?

Git é um sistema de controle de versão de arquivos. Através deles podemos desenvolver projetos na qual diversas pessoas podem contribuir simultaneamente no mesmo, editando e criando novos arquivos e permitindo que os mesmos possam existir sem o risco de suas alterações serem sobrescritas.

Se não houver um sistema de versão, imagine o caos entre duas pessoas abrindo o mesmo arquivo ao mesmo tempo. Uma das aplicações do git é justamente essa, permitir que um arquivo possa ser editado ao mesmo tempo por pessoas diferentes. Por mais complexo que isso seja, ele tenta manter tudo em ordem para evitar problemas para nós desenvolvedores.

Outro fator importante do git (e essa é um dos seus diferenciais em relação ao svn – caso vc o conheça) é a possibilidade de criar, a qualquer momento, vários snapshots do seu projeto, ou como chamamos mais “nerdmenete”, branch. Suponha que o seu projeto seja um site html, e você deseja criar uma nova seção no seu código HTML, mas naquele momento você não deseja que estas alterações estejam disponíveis para mais ninguém, só para você. Isso é, você quer alterar o projeto (incluindo vários arquivos nele), mas ainda não quer que isso seja tratado como “oficial” para outras pessoas, então vc cria um branch (como se fosse uma cópia espelho) e então trabalha apenas nesse branch, até acertar todos os detalhes dele. Após isso, você pode fazer um merge de volta do seu branch até o projeto original. Veja bem, se tudo isso que você leu só ajudou a te confundir mais – respire fundo – e siga em frente. Com exemplos tudo fica melhor.

Por que GitLab?

1-) Com o GitLab, os desenvolvedores podem rotular um projeto com “Work in progress”, que dá aos colaboradores um sinal claro de que o código não está concluído. Isso pode ser uma coisa menor, embora possa ser realmente útil. Esse recurso impede que o código seja mesclado com outro código antes que ele seja realmente concluído.

2-) O GitLab fornece um poderoso Tracker de Problemas que permite que você altere status e atributo para vários problemas ao mesmo tempo.

3-) No GitLab você pode anexar qualquer arquivo a qualquer problema. Você simplesmente não pode fazer isso dentro do GitHub.

4-) Com o GitLab você pode definir e modificar as permissões das pessoas de acordo com sua função. Com o GitLab você pode fornecer acesso ao rastreador de problemas (por exemplo) sem dar permissão para o código-fonte.

Referências:

https://tableless.com.br/tudo-que-voce-queria-saber-sobre-git-e-github-mas-tinha-vergonha-de-perguntar/

http://usersnap.com/blog/gitlab-github/

 

Tutorial de instalação e configuração do GitLab no Ubuntu

Instalando o Git e o GitGUI no Ubuntu

  1. Para instalar o Git abra o Terminal do Ubuntu e digite os comandos abaixo:

    sudo apt-get update
    sudo apt-get install git

  2. Para instalar o GitGUI abra o Terminal do Ubuntu e digite os comandos abaixo:
    Nota: O gitk instala o GitGUI que é a interface gráfica do Git.

    sudo apt-get update
    sudo apt-get install gitk

Criando um repositório e comitando

  1. No Terminal digite os comandos abaixo e informe ao Git os seus dados, eles irão identificar seus commits.
    Nota: Os comandos são executados apenas na primeira vez que for configurar o Git, coloque o ‘NomeSobrenome’ sem espaços. O email que está informando é interessante que seja o mesmo da conta do GitLab, para ele identificar todos seus commits, mais informações de como criar conta GitLab ver passo ‘Configurando e compartilhamento no GitLab’.

    git config --global user.name "NomeSobrenome"
    git config --global user.email "seu_email@email.com"

  2. Clique com o direito na pasta onde deseja criar o repositório local e selecione o Terminal. Para inicializar um repositório Git nesta pasta digite o comando abaixo:

    git init

  3. Agora para testar o commit digite os comandos abaixo:
    Nota: Primeiro comando cria um arquivo “teste.txt” vazio no repositório que foi inicializado. O segundo adiciona todos as alterações do repositório ao índice. E o terceiro comita todos os arquivos que estão no índice e que foram modificados.

    touch teste.txt
    git add .
    git commit -m "Primeiro commit"

Configurando e compartilhamento no GitLab

Nota: Todos as etapas realizadas até este ponto ocorreram no repositório local. Esse processo é necessário apenas a primeira vez que for comunicar seu computador com o GitLab. Para comitar seu repositório local no GitLab primeiramente você precisa de uma conta e de uma chave SSH(Secure Shell – protocolo de rede criptográfico).

  1. Entre no site do GitLab na aba ‘Register’ e crie uma conta.
    Nota: Esse passo só é necessário caso não tenha conta no GitLab.

  2. Logue em sua conta GitLab.

  3. Crie a chave SSH através do Terminal, digite o comando abaixo:
    Nota: Informe o email que está cadastrado no GitLab. Na primeira pergunta aperte ‘Enter’ para deixar padrão o nome da chave que está criando. Informe uma senha e repita a senha informada.

    ssh-keygen -t rsa -C "seu_email@email.com"

  4. Para abrir a chave SSH criada, digite o comando abaixo:
    Nota: Se você alterou o nome padrão da chave no lugar de ‘id_rsa’ coloque o nome que vc informou.

    gedit ~/.ssh/id_rsa.pub

  5. Na sua conta do GitLab entre em ‘Settings’ e procure a aba ‘SSH Keys’.

  6. Copie todo o conteúdo da chave SSH que você abriu no bloco de notas e cole no campo ‘Key’, informe um titulo para identificar o computador onde a chave foi gerada.

  7. Para verificar se está funcionando corretamente digite o comando abaixo no Terminal:
    Nota: Quando der o comando ele irá solicitar uma senha, ela é a mesma que você cadastrou quando criou sua chave SSH.

    ssh -T git@gitlab.com

  8. Se a mensagem no Terminal for ‘Welcome to GitLab, Nome Sobrenome(nome e sobrenome cadastrados no site do GitLab)’ significa que está tudo funcionando, caso seja um erro, por favor repita os passos do item 3.

Criando o repositório remoto

  1. Em sua conta GitLab clique em ‘New Project’.

  2. Adicione um nome ao projeto e escolha qual o nível de visibilidade que deseja que o projeto tenha.
    Nota: No nome do projeto não é permitido espaço, substitua por ‘-‘, ‘_’ ou ‘.’, não é possível iniciar com ‘-‘ e nem terminar com ‘.git’ ou ‘.atom’. Existe três níveis de visibilidade: Primeiro é o ‘Private’(o acesso ao projeto tem que ser concedido explicitamente a cada usuário); Segundo é o ‘Internal’(o acesso ao projeto é para qualquer usuário logado no GitLab); Terceiro é o ‘Public’(o acesso é a qualquer pessoa logada ou não no GitLab).

  3. Na janela do Terminal digite o comando abaixo para atribuir um nome a URL do seu projeto no GitLab:
    Nota: O nome curto é o nome para referenciar o projeto remoto, assim não é necessário digitar toda a URL para dar um commit no remoto. A URL você pode copiar de dentro do projeto que você criou, existem um campo com ela.

    git remote add nome_curto git@gitlab.com:seu_login/nome_do_repositorio.git

  4. Para atualizar seu projeto no GitLab com as informações do projeto local digite o comando abaixo:

    git push nome_curto master

Tutorial de instalação e configuração do GitLab no Windows

Instalando o Git no Windows

  1. No site oficial do Git há links para download para Windows, Mac e Linux.
    Nota: Clique no link do Windows.

  2. Execute o arquivo baixado e vá dando “Next” até a tela “Select Components”. Nesta tela marque as duas opções “Git Bash Here” e “Git GUI Here”, os demais itens deixa como está.
    Nota: Instalar o Git Bash Here permite abrir o prompt de comandos do Git (Git Bash) em qualquer pasta, basta clicar com o botão direito e “Git Bash Here”.

  3. Na próxima tela, escolha a opção mais conservadora: “Use Git Bash only”.
    Nota: A segunda opção permite usar o Git também pelo prompt padrão do Windows, mas não os comandos Unix. Já a terceira permite usar todos os comandos pelo prompt do Windows, mas alguns comandos do Windows serão substituídos por comandos Unix que tem o mesmo nome (como find e sort).

  4. Na configuração de quebra de linha marque a opção “Checkout as-is, commit Unix-style line endings”.
    Nota: A primeira opção converte os arquivos para padrão Windows quando os arquivos chegam para você, e convertem para padrão Unix quando você os comita no repositório. A segunda não faz nenhuma conversão quando os arquivos chegam, mas convertem para padrão Unix quando você comita. Já a terceira opção não faz nenhuma conversão.

Criando um repositório e comitando

  1. Na tela do Git Bash digite os comandos abaixo e informe ao Git os seus dados, eles irão identificar seus commits.
    Nota: Os comandos são executados apenas na primeira vez que for configurar o Git, coloque o ‘NomeSobrenome’ sem espaços. O email que está informando é interessante que seja o mesmo da conta do GitLab, para ele identificar todos seus commits, mais informações de como criar conta GitLab ver passo ‘Configurando e compartilhando no GitLab’.

    git config --global user.name "NomeSobrenome"
    git config --global user.email "seu_email@email.com"

  2. Clique com o direito na pasta onde deseja criar o repositório local e selecione a opção “Git Bash Here”. Para inicializar um repositório Git nesta pasta digite o comando abaixo:
    Nota: Irá aparecer um (master), significa que você está em um repositório GIT e na branch(“ramos”) master.

    git init

  3. Agora para testar o commit digite os comandos abaixo:
    Nota: Primeiro comando cria um arquivo “teste.txt” vazio no repositório que foi inicializado. O segundo adiciona todos as alterações do repositório ao índice. E o terceiro comita todos os arquivos que estão no índice e que foram modificados.

    touch teste.txt
    git add .
    git commit -m "Primeiro commit"

Configurando compartilhamento no GitLab

Nota: Todos as etapas realizadas até este ponto ocorreram no repositório local. Esse processo é necessário apenas a primeira vez que for comunicar seu computador com o GitLab. Para comitar seu repositório local no GitLab primeiramente você precisa de uma conta e de uma chave SSH(Secure Shell – protocolo de rede criptográfico).

  1. Entre no site do GitLab na aba ‘Register’ e crie uma conta.
    Nota: Esse passo só é necessário caso não tenha conta no GitLab.

  2. Logue em sua conta GitLab.

  3. Crie a chave SSH através do Git Bash, digite o comando abaixo:
    Nota: Informe o email que está cadastrado no GitLab. Na primeira pergunta aperte ‘Enter’ para deixar padrão o nome da chave que está criando. Informe uma senha e repita a senha informada.

    ssh-keygen -t rsa -C "seu_email@email.com"

  4. Para abrir a chave SSH criada, digite o comando abaixo:
    Nota: Se você alterou o nome padrão da chave no lugar de ‘id_rsa’ coloque o nome que vc informou.

    notepad ~/.ssh/id_rsa.pub

  5. Na sua conta do GitLab entre em ‘Settings’ e procure a aba ‘SSH Keys’.

  6. Copie todo o conteúdo da chave SSH que você abriu no bloco de notas e cole no campo ‘Key’, informe um titulo para identificar o computador onde a chave foi gerada.

  7. Para verificar se está funcionando corretamente digite o comando abaixo no Git Bash:
    Nota: Quando der o comando ele irá solicitar uma senha, ela é a mesma que você cadastrou quando criou sua chave SSH.

    ssh -T git@gitlab.com

  8. Se a mensagem no Git Bash for ‘Welcome to GitLab, Nome Sobrenome(nome e sobrenome cadastrados no site do GitLab)’ significa que está tudo funcionando, caso seja um erro, por favor repita os passos do item 3.

Criando o repositório remoto

  1. Em sua conta GitLab clique em ‘New Project’.

  2. Adicione um nome ao projeto e escolha qual o nível de visibilidade que deseja que o projeto tenha.
    Nota: No nome do projeto não é permitido espaço, substitua por ‘-‘, ‘_’ ou ‘.’, não é possível iniciar com ‘-‘ e nem terminar com ‘.git’ ou ‘.atom’. Existe três níveis de visibilidade: Primeiro é o ‘Private’(o acesso ao projeto tem que ser concedido explicitamente a cada usuário); Segundo é o ‘Internal’(o acesso ao projeto é para qualquer usuário logado no GitLab); Terceiro é o ‘Public’(o acesso é a qualquer pessoa logada ou não no GitLab).

  3. Na janela do Git Bash digite o comando abaixo para atribuir um nome a URL do seu projeto no GitLab:
    Nota: O nome curto é o nome para referenciar o projeto remoto, assim não é necessário digitar toda a URL para dar um commit no remoto. A URL você pode copiar de dentro do projeto que você criou, existem um campo com ela.

    git remote add nome_curto git@gitlab.com:seu_login/nome_do_repositorio.git

  4. Para atualizar seu projeto no GitLab com as informações do projeto local digite o comando abaixo:

    git push nome_curto master

Tutorial de instalação do OpenCV no Windows

Olá pessoal!

Esse post se trata de um passo-a-passo de como instalar a biblioteca OpenCV para usuários do Windows. Mas por que utilizar o OpenCV?

REQUISITOS

  • Windows 7(ou superior)
  • Visual Studio

BAIXE E INSTALE, RESPECITIVAMENTE, OS SEGUINTES ARQUIVOS EM C, QUE É O PADRÃO:

PYTHON
NUMPY
MATPLOTLIB

COMO INSTALAR O OPENCV

    1. BAIXE O OPEN CV CLICANDO AQUI!
    2. APÓS BAIXAR O ARQUIVO DA IMAGEM ABAIXO, ABRA-O COM DUPLO CLIQUE.1
    3. SELECIONE A PASTA DE DESTINO (QUADRADO VERDE) E DEPOIS EXTRAIA (QUADRADO AZUL).2
    4. AGUARDE A BARRA AZUL ESTAR COMPLETA.3
    5. CONFIRA SE A PASTA OPENCV ESTÁ NO LOCAL DE DESTINO.4
    6. ACESSE “Painel de Controle\Todos os Itens do Painel de Controle\Sistema no seu computador” (QUADRADO LARANJA) E DEPOIS SELECIONE “Configurações avançadas do sistema”. 5
    7. SELECIONE “Variáveis de Ambiente… (QUADRADO VERMELHO).6
    8. SELECIONE “Novo” (QUADRADO AZUL).7
    9. ESCREVA “OPENCV_BUILD” EM “Nome da variável” E O LOCAL DE DESTINO DA PASTA “build” EM “Valor da variável” E POR FIM, SELECIONE “OK” (QUADRADO AZUL).
      8
    10. ENCONTRE E SELECIONE A VARIÁVEL “Path” E SELECIONE “Editar” (QUADRADO AZUL).9
    11. DIGITE “%OPENCV_BUILD%\x86\vc10\bin” EM “Valor da variável” E SELECIONE “OK” (QUADRADO AZUL).10
    12. SELECIONE “OK” (QUADRADO VERMELHO).11
    13. SELECIONE “OK” (QUADRADO VERMELHO).12
    14. ACESSE A PASTA “C:/opencv/build/python/2.7″.
    15. COPIE O ARQUIVO “cv2.pyd” PARA O DIRETÓRIO “C:/Python27/lib/site-packeges”.
    16. ABRA O TERMINAL “Python IDLE” E DIGITE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:
      import cv2 print
      print cv2.__version__

 

Projeto Integrador – Grupo de Visão Computacional
Integrantes: Ana Paula de Souza, Carlos Eduardo Benedetti Lopes Jr., Felipe Barboza de Oliveira, Leandro Leonardo Passarelli, Lucas de Brito Silva, Luiz Alberto Hiroshi Horita, Ricardo Heiji de Souza Seike, Samuel Licorio, Tales Gava Marchetti, Vinícius Moreira Hungaro

Tutorial de Instalação do OpenCV no Ubuntu

PACOTES REQUIRIDOS:

    • GCC 4.4.x or later
    • CMake 2.8.7 or higher
    • Git
    • GTK+2.x or higher, including headers (libgtk2.0-dev)
    • pkg-config
    • Python 2.6 or later and Numpy 1.5 or later with developer packages (python-dev, python-numpy)
    • ffmpeg or libav development packages: libavcodec-dev, libavformat-dev, libswscale-dev
    • [optional] libtbb2 libtbb-dev
    • [optional] libdc1394 2.x
    • [optional] libjpeg-dev, libpng-dev, libtiff-dev, libjasper-dev, libdc1394-22-dev
    • [optional] CUDA Toolkit 6.5 or higher

PASSO A PASSO NO TERMINAL (Cntrl + Alt + T)

  1. INSTALE OS PACOTES ESSENCIAIS:
    sudo apt-get install build-essential
  2. ATUALIZE O SISTEMA:
    sudo apt-get update
  3. MELHORE O SISTEMA:
    sudo apt-get upgrade
  4. INSTALE AS SEGUINTES BIBLIOTECAS:
    sudo apt-get install cmake git libgtk2.0-dev pkg-config libavcodec-dev libavformat-dev libswscale-dev
  5. INSTALE O PYTHON E ALGUMAS DE SUAS BIBLIOTECAS:
    sudo apt-get install python-dev python-numpy libtbb2 libtbb-dev libjpeg-dev libpng-dev libtiff-dev libjasper-dev libdc1394-22-dev
  6. CRIE UMA PASTA CHAMADA “OPENCV”:
    mkdir opencv
  7. ENTRE NA PASTA “OPENCV”:
    cd opencv
  8. CLONE O OPENCV:
    git clone https://github.com/opencv/opencv.git
  9. CLONE O REPOSITÓRIO DO OPENCV:
    git clone https://github.com/opencv/opencv_contrib.git
  10. CRIE UMA PASTA CHAMADA “build” DENTRO DA PASTA OPENCV:
    mkdir build
  11. ENTRE NA PASTA “build”:
    cd build
  12. EXECUTE OS SEGUINTES CÓDIGOS:
    cmake -DCMAKE_BUILD_TYPE=Release -DCMAKE_INSTALL_PREFIX=/usr/local/ -DENABLE_PRECOMPILED_HEADERS=OFF -DOPENCV_EXTRA_MODULES_PATH=../../opencv_contrib/modules -DPYTHON_INCLUDE_DIR=/usr/include/python2.7 -DPYTHON_LIBRARY=/usr/lib/x84_64 - linux-gnu/libpython2.7.so - DPYTHON2_NUMPY_UNCLUDE_DIRS=/usr/lib/python2.7/dist-packages/numpy/core/include/ \ -DINSTALL_PYTHON_EXAMPLES=ON -DWITH_IPP=ON \ -DWITH_TBB=ON \ -DBUILD_DOCS=ON \ -DBUILD_EXAMPLES=OFF \ -DBUILD_TESTS=OFF \ -DBUILD_PERF_TESTS=OFF \ -DWITH_VL4=ON -wno-dev ..

    Obs.: os dois últimos pontos ("..") são necessários no comando!
  13. ***CASO SURJA ALGUMA DÚVIDA, CONSULTE O MATERIAL CEDIDO PELO PRÓPRIO SITE DO OPENCV:
    http://docs.opencv.org/trunk/d7/d9f/tutorial_linux_install.html
Projeto Integrador – Grupo de Visão Computacional
Integrantes: Ana Paula de Souza, Carlos Eduardo Benedetti Lopes Jr., Felipe Barboza de Oliveira, Leandro Leonardo Passarelli, Lucas de Brito Silva, Luiz Alberto Hiroshi Horita, Ricardo Heiji de Souza Seike, Samuel Licorio, Tales Gava Marchetti, Vinícius Moreira Hungaro

Big Data no Agronegócio

O que é Big Data para o agronegócio?

O conceito e a aplicação de Big Data vêm despontando como uma revolução na agricultura. Big Data é uma possibilidade de gerar, coletar, armazenar, analisar enormes tamanhos de dados e, a partir destes, gerar conhecimentos relevantes para a tomada de decisões. Tudo tem vida na Internet e tem interligado entre si – celulares, computadores, carros, televisores, tratores, colhedoras de grãos, pulverizadoras e muito mais. Tudo está localizado, monitorado e controlado, gerando grande volume de dados a uma velocidade nunca vista antes. O curso superior de Tecnologia da Big Data no Agronegócio visa formar profissionais para manusear enormes volumes de dados de maneira rápida e eficiente, com competência de interpretação, um fim de gerar conhecimentos importantes para o desenvolvimento do agronegócio.